E-RN 800x105

Moderna vai fornecer 500 milhões de doses para consórcio da OMS com foco em 92 países considerados de média e baixa renda; com "autofinanciamento potencial", Brasil está fora da lista

Por Rogério Magno em 03/05/2021 às 10:13:43

Infográfico mostra como funcionam vacinas de RNA contra o coronavírus — Foto: Anderson Cattai/Arte G1

A empresa americana de biotecnologia Moderna anunciou, nesta segunda-feira (3), que vai fornecer 500 milhões de doses de sua vacina contra a Covid-19 para a Covax, consórcio liderado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), até o ano que vem para para 92 países considerados de média e baixa renda (veja lista ao fim da reportagem).

As doses serão vendidas pelo menor preço da empresa. A primeira remessa, de 34 milhões de doses, deve começar a ser distribuída no quarto trimestre deste ano, que começa em outubro.

O Brasil não está incluído entre os países contemplados porque aparece na lista da Covax como uma economia com "autofinanciamento potencial" (veja detalhes mais abaixo).

A vacina da Moderna foi aprovada para uso emergencial na sexta-feira (30) pela OMS, o que abriu caminho para que fosse distribuída pela Covax. O consórcio é uma iniciativa liderada pela OMS para garantir um acesso mais igualitário às vacinas contra a Covid por países mais pobres.

Apesar de não estar na lista dos países que receberão as doses da Moderna, o Brasil faz parte da iniciativa e já recebeu doses adquiridas por meio da Covax. Neste fim de semana, a remessa que chegou ao país pertencia ao laboratório AstraZeneca.

Segundo a Moderna, o acordo fechado com a Gavi, a aliança global de vacinas que negocia as doses para o consórcio, prevê a entrega das 34 milhões de doses iniciais e, depois, a opção de adquirir as outras 466 milhões.

Brasil não está incluído

O acordo fechado entre a Moderna e a Gavi prevê o fornecimento de doses para os 92 países considerados de média e baixa renda que fazem parte da Covax. O Brasil não está incluído nesta lista (veja os países integrantes ao final desta reportagem).

A empresa afirmou que está "em discussões para alocar e fornecer [vacinas] para participantes autofinanciados no futuro". O Brasil aparece na lista da Covax como uma economia com "autofinanciamento potencial", que reúne 80 países ao todo.

Índice de eficácia alto

Em meados de abril, a Moderna publicou novos resultados de eficácia da vacina, que apontaram para uma taxa de 90% de eficácia. O índice é um dos mais altos entre as vacinas contra a Covid-19 desenvolvidas até agora. Assim como a Pfizer, a Moderna usa a tecnologia de RNA mensageiro em sua vacina.
A vacina da Moderna já foi aprovada para uso nos Estados Unidos, na União Europeia e em Israel, além de outros países. A vacina ainda não foi aprovada e não está disponível no Brasil.

Países mais pobres

Baixa renda:

Afeganistão
Benin
Burkina Faso
Burundi
República Centro-Africana
Chade
República Democrática do Congo
Eritreia
Etiópia
Gâmbia
Guiné
Guiné-Bissau
Haiti
Coreia do Norte
Libéria
Madagascar
Malaui
Mali
Moçambique
Nepal
Níger
Ruanda
Serra Leoa
Somália
Sudão do Sul
Síria
Tadjiquistão
Tanzânia
Togo
Uganda
Iêmen

Renda média-baixa:

Angola
Argélia
Bangladesh
Butão
Bolívia
Cabo Verde
Camboja
Camarões
Comores
Congo-Brazaville
Costa do Marfim
Djibouti
Egito
El Salvador
Eswatini
Gana
Honduras
Índia
Indonésia
Quênia
Kiribati
Quirguistão
Laos
Lesoto
Mauritânia
Estados Federados da Micronésia
Moldávia
Mongólia
Marrocos
Mianmar
Nicarágua
Nigéria
Paquistão
Papua Nova Guiné
Filipinas
São Tomé e Príncipe
Senegal
Ilhas Salomão
Sri Lanka
Sudão
Timor-Leste
Tunísia
Ucrânia
Uzbequistão
Vanuatu
Vietnã,
Gaza e Cisjordânia
Zâmbia
Zimbábue

Elegíveis para Associação de Desenvolvimento Internacional do Banco Mundial:

Dominica
Fiji
Grenada
Guiana
Kosovo
Maldivas
Ilhas Marshall
Samoa
Santa Lúcia
São Vicente e Granadinas
Tonga
Tuvalu

G1

Fonte: Blog do BG

Comunicar erro
Jota Edilson

Comentários