cnrn

Covid-19: União Europeia se diz pronta a discutir suspensão de patentes de vacinas e acelerar produção

Por Nilton Macedo em 06/05/2021 às 16:24:04
Proposta foi apresentada na quarta-feira pelos EUA, anteriormente contrário à iniciativa. Presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, chamou seu continente de 'a farmácia do mundo' ao lembrar que já exporta imunizantes para mais de 90 países. Frascos da vacina da AstraZeneca contra Covid-19 em centro de vacinação na Antuérpia

Reuters/Yves Herman

A União Europeia se disse pronta para discutir a proposta americana para suspender as patentes dos imunizantes contra Covid-19. O objetivo é acelerar a produção e a distribuição das vacinas, disse nesta quinta-feira (6) a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen.

O governo americano anunciou nesta quarta-feira (5) que apoiará a iniciativa e participará das negociações na OMC (Organização Mundial do Comércio) sobre o assunto.

"A União Europeia está pronta para discutir todas as propostas contra a crise de maneira eficaz e pragmática e a maneira como a proposta americana permitiria atingir esse objetivo", reagiu a representante do bloco europeu, em um discurso por videoconferência no Instituto Universitário de Florença, na Itália. O presidente francês, Emmanuel Macron, também se disse favorável à medida.

O diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, chamou de "histórico" o anúncio americano de apoio à suspensão das patentes das vacinas contra a Covid-19.

Chanceler diz que Brasil mantém posição contrária à quebra de patente de vacinas contra a Covid

Estados Unidos anunciam apoio a suspensão de patentes de vacinas contra Covid

Vacinas contra covid: por que países ricos não quebram patentes para acelerar vacinação contra covid-19?

Países emergentes pressionam a OMC para suspender patentes de vacinas e remédios para a Covid

Ursula Von der Leyen lembrou que, por hora, a União Europeia era a maior exportadora de vacinas do mundo e pediu aos outros países produtores que acabassem com as restrições para enviar as doses para outros países, evitando atrapalhar "as cadeias de abastecimento".

A declaração é uma alusão ao Reino Unido, que não exportou nenhuma dose fabricada em seu território, e também aos Estados Unidos, que dispõe de uma lei que bloqueia a exportação dos imunizantes e restringe a dos insumos necessários para fabricá-las.

A Europa, ao contrário, frisou Von der Leyen, exporta para mais de 90 países, do Japão até a Colômbia, passando pelo México. Isso faz do continente a "a farmácia do mundo" e a "única região democrática a exportar em grande escala", indicou.

"Mais de 200 milhões de doses produzidas na Europa foram exportadas, o que representa a mesma quantidade que o bloco utilizou em seus próprios cidadãos", disse a presidente da Comissão. Ela também elogiou "o sucesso da campanha nos 27 países", com "mais de três milhões de europeus vacinados todos os dias", reconhecendo falhas no início.

A Europa espera vacinar toda sua população adulta até o final de julho.

Falta de tempo

A Índia e a África do Sul solicitaram uma quebra temporária de patentes para poder acelerar a produção das vacinas, mas, na época, alguns países, como a França, se opuseram à iniciativa.

Até agora, a União Europeia argumentava falta de "tempo" para colocar a questão em prática. "Uma transferência de patente poderia começar entre 12 e 14 meses. No próximo ano, quando teremos aumentado a produção de nossas fábricas, poderemos nos questionar a respeito", declarou Thierry Breton, comissário europeu para o Mercado Interno.

Vídeos: Novidades sobre vacinas contra Covid-19

Fonte: G1

Comunicar erro
Jota Edilson

Comentários