cnrn

RN tem 81 mil pessoas com a dose de reforço da vacina contra a Covid em atraso

Por Rogério Magno em 11/10/2021 às 19:43:16
Idosos e imunossuprimidos representam maior parte da população atrasada: são 54 mil. Dados são do RN+ Vacina, que atua no monitoramento da imunização no estado. Aplicação da vacina contra a Covid

Geovana Albuquerque/Arquivo-SES

O Rio Grande do Norte tem 81.958 pessoas com a dose de reforço da vacina contra a Covid em atraso. Os dados são da plataforma RN+ Vacina, do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) e que atua como monitoramento da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) nos índices de vacinação no estado.

Idosos e imunossuprimidos representam a maior parte dos atrasados: são 54.342 em todo o estado, sendo 21.916 deles apenas em Natal.

Já os trabalhadores em saúde com a dose de reforço em atraso são 27.616 em todo o estado, sendo 9.380 na capital potiguar.

São consideradas pessoas com a dose de reforço em atraso aquelas que já estão aptas a se vacinarem de acordo com o Plano Nacional de Imunização e as definições do Estado e dos municípios, mas ainda não foram receber o imunizante.

Em Natal, por exemplo, estão autorizados a receber a vacina idosos acima de 60 que já completaram seis meses do recebimento das duas doses anteriores, profissionais de saúde acima de 50 anos de idade com o mesmo tempo de diferença entre as doses e imunossuprimidos que já tomaram a segunda dose há mais de 28 dias.

Veja quem pode se vacinar em Natal

Em relação à faixa etária, no entanto, não há pessoas abaixo de 70 anos com as duas doses completas há mais de seis meses em Natal, já que a capital começou a aplicar a primeira dose em pessoas de 69 anos em 29 de março, há pouco mais de 6 meses (entenda aqui).

Os imunossuprimidos devem apresentar laudo médico que comprove estar dentro dos critérios (veja abaixo).

As pessoas que receberão a dose adicional são as com:

Imunodeficiência primária grave

Quimioterapia para câncer

Transplantadas de órgão sólido ou de células tronco hematopoiéticas (TCTH) em uso de drogas imunossupressoras

Pessoas vivendo com HIV/Aids

Uso de corticóides em doses > 20mg/dia de prednisona, ou equivalente, por > 14 dias

Uso de drogas modificadoras da resposta imune (ver tabela)

Pacientes com hemodiálise

Pacientes com doenças imunomediadas inflamatórias crônicas (reumatológicas, autoinflamatorias, doenças intestinais inflamatórias)

Drogas modificadoras da resposta imune e doses consideradas imunossupressoras

Drogas modificadoras da resposta imune

Vídeos mais assistidos do g1 RN

Fonte: G1

Comunicar erro
Jota Edilson

Comentários