TerraBit Tec

Perguntas e respostas: O que já se sabe sobre a variante "micron, que coloca o mundo em alerta

A cepa sul-africana do coronavírus mostra indícios de ser mais transmissível, dizem especialistas

Por Rogerio Magno em 27/11/2021 às 21:24:50

Uma nova variante do coronavírus identificada na África do Sul preocupa as autoridades de saúde do mundo todo. A cepa, que foi nomeada ômicron (B.1.1.529) pela Organização Mundial da Saúde (OMS), parece se espalhar relativamente rápido e já está presente em outros quatro países. Mutações são comuns no coronavírus e são elas que dão origem a novas variantes. Desde o início da pandemia, diversas cepas surgiram, mas, até o momento, apenas quatro foram alvo de preocupação por alterarem negativamente o efeito do vírus no organismo. A ômicron é a quinta delas e, de acordo com o médico geneticista Salmo Raskin, diretor do Laboratório Genetika, de Curitiba, essa é a variante que mais acumulou mutações.

– Ela tem uma mistura de mutações presentes nas outras quatro variantes de preocupação e ainda tem uma série de mutações inéditas. Esse é o ponto principal que chamou a atenção nela. Embora existam evidências de que ela pode ser mais transmissível e escapar das defesas do sistema imunológico, ainda é muito precipitado fazer qualquer afirmação sobre isso – explica o especialista.

Confira abaixo as respostas para as principais dúvidas sobre a Ômicron:

Onde, como e quando ela surgiu?

A nova variante surgiu na África do Sul. O primeiro caso confirmado de B.1.1.529 foi em um paciente testado no dia 9 de novembro, segundo informações da OMS. Desde então, o país identificou cerca de 100 casos da variante, principalmente em sua província mais populosa, Gauteng. Ainda não se sabe exatamente como ela surgiu. Uma das hipóteses, formulada por um cientista do UCL Genetics Institute em Londres, é que o novo coronavírus evoluiu durante uma infecção crônica de uma pessoa imunocomprometida, possivelmente em um paciente com HIV / AIDS não tratado. Acredita-se que outra variante de preocupação, um beta, identificada no ano passado também na África do Sul, pode ter vindo de uma pessoa infectada pelo HIV.

Por que ela erigida esse nome?

A OMS utiliza letras do alfabeto grego para nomear as chamadas "variante de preocupação" (VOC) e "de interesse" (VOI). A cepa sul-africana foi selecionada como VOC. A terminologia é usada para cepas que alteram negativamente a epidemiologia da doença, por exemplo, ao elevar a taxa de transmissão, mudar os sintomas da doença ou reduzir a efetividade de medidas de saúde, como vacinação e tratamentos. Surpreendendo cientistas do mundo todo, a entidade decidiu usar a 15ª letra e não a 13ª para nomear a nova variante, chamada ômicron. Ainda não há justificativa para essa decisão. Esta é a quinta cepa classificada como variante de preocupação. Como anteriores são alfa, beta, gama e delta.

Por que ela se tornou uma preocupação tão rápido?

Essa variante apresenta 50 mutações no total. Isso é quase o dobro do número de mutações da Delta. Apenas na proteína pico, usada pelo vírus para invadir as células e que é alvo da maioria das vacinas contra a Covid-19, são mais de 30. Evidências preliminares que ela aumenta o risco de reinfecção, é mais transmissível e menos suscetível às defesas geradas pelas vacinas.

Ela é mais transmissível e mais grave?

Dados da África do Sul indicam que ela pode ser mais transmissível. Mas isso não significa que ela seja mais agressiva. Ambas as suspeitas ainda ser confirmadas. A taxa de infecção do país quase dobrou na quinta-feira, passando para 2.465 e o número de casos dessa variante parece estar aumentando em quase todas as províncias da África do Sul.

– O número de pessoas que rapidamente foram infectadas em uma semana no país levanta a suspeita de que ela pode ser bem mais transmissível que a delta. Ela tem todas as ferramentas para ser mais infecciosa, para escapar das respostas das vacinas e do próprio corpo. Mas, neste exato momento, é tudo especulação – diz Raskin.

Como vacinas protegem contra uma nova cepa?

Algumas das mutações presentes na nova variante indicam que ela pode ser aos neutralizantes. Mas, até o momento, não há evidências que as vacinas não são eficazes contra a ômicron. Alguns desenvolvedores de vacinas, como a Pfizer e sua parceira BioNTech, e a AstraZeneca em sua parceria com a Universidade de Oxford, já anunciaram o início de testes para avaliar uma eficácia do imunizante contra uma nova variante. A expectativa da Pfizer é ter uma resposta dentro de duas semanas.

Ela pode ser detectada pelo exame PCR?

Sim. Diversos laboratórios indicaram que no teste de PCR usado, um dos três genes-alvo para detecção do vírus não é encontrado. Isso é chamado dropout do gene S. No entanto, essa falha não significa que o vírus pode passar despercebido neste teste e oferecer um resultado falso-negativo. Pelo contrário. A indica que o PCR pode ser usado como um marcador para a variante, enquanto a sequenciamento é aguardada.

Causa os mesmos sintomas das variantes anteriores?

Até o momento, nenhum sintoma incomum foi relatado após uma infecção com a variante B.1.1.529. Como nas outras cepas, há casos de associados assintomáticos.

Em países ela já foi detectada quais?

Além da África do Sul, foram confirmados casos da nova variante em Botswana, Hong Kong, Israel e Bélgica. Para evitar a disseminação da nova variante, países da Europa, Oriente Médio e Ásia suspenderam voos oriundos do sul da África.

Quais medidas o Brasil adotou para impedir que ela chegue aqui?

O ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, anunciou no Twitter que o governo pretende proibir os voos provenientes de seis países africanos a partir de segunda-feira. A decisão segue uma recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que pediu a restrição à entrada de passageiros vindos de seis países africanos: África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue. O Ministério da Saúde emite um alerta de risco às secretarias de saúde sobre a nova variante. O comunicado orienta as redes para que façam notificação imediata caso haja detecção de casos da nova cepa. Segundo a pasta, em caso de diagnóstico suspeitos em pacientes vindos de países com essas variantes, como redes devem monitorar viajantes com sintomas por até 14 dias e sem sintomas por até 7 dias.

Fonte: Portal Agora RN

Comunicar erro
Jota Edilson

Comentários