E-RN 800x105

Trump cumpre ameaça, 'fura' TV e divulga entrevista antes da exibição

Por Nilton Macedo em 22/10/2020 às 14:56:06
Presidente dos EUA havia abandonado a entrevista para o programa '60 Minutos', atacado a apresentadora e ameaçado divulgá-la antes de ir ao ar na televisão americana. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante entrevista para o programa '60 Minutos'

Reprodução/Facebook

O presidente dos Estados Unidos e candidato à reeleição, Donald Trump, cumpriu sua ameaça e nesta quinta-feira (22) divulgou a entrevista gravada para o programa "60 Minutos" antes de ela ir ao ar na televisão americana.

A entrevista foi feita na segunda-feira (19), e Trump afirmou no dia seguinte que estava considerando "furar" o programa e publicar a entrevista "para fins de precisão" e "para que todos possam vislumbrar como a entrevista foi falsa e enviesada".

A ameaça foi feita após o presidente americano abandonar a entrevista no meio e atacar a apresentadora, Lesley Stahl, nas redes sociais. Ele interrompeu a entrevista na Casa Branca após cerca de 45 minutos e afirmou à equipe do canal de televisão CBS que acreditava que eles já tinham material suficiente.

Trump também se recusou a participar do segmento "walk and talk" do programa ("caminhar e conversar", em tradução livre), em que andaria pela Casa Branca ao lado do seu vice-presidente, Mike Pence, e da apresentadora.

Na terça-feira (20), o presidente publicou em uma rede social um vídeo de 6 segundos de Lesley Stahl em que a apresentadora aparece conversando sem máscara com duas pessoas dentro da Casa Branca. No post, Trump destacou que ela estava sem máscara e escreveu que há "muito mais por vir".

Segundo a imprensa local, o vídeo foi feito logo após a entrevista ser encerrada e Stahl havia usado máscara desde o momento em que entrou na Casa Branca até o início da gravação.

'60 Minutos'

O candidato democrata, Joe Biden, e a senadora da Califórnia Kamala Harris, sua candidata a vice, também foram entrevistados pelo "60 Minutos". A previsão era que todas as entrevistas fossem ao ar no mesmo programa, no domingo (25).

Enquanto Biden e Harris gravaram suas entrevistas separadamente, Trump e Pence apareceriam juntos, como fizeram quatro anos atrás. Mas, após encerrar a entrevista, o presidente dos EUA não voltou para a gravação com Pence.

Trump e Biden fazem nesta quinta-feira (22) o último debate antes de eleição presidencial de 3 de novembro. O G1 e a GloboNews vão transmitir o embate ao vivo a partir das 22 horas.

SANDRA COHEN: Debate final terá clima de revanche para Trump e de empate para Biden

Revista 'Time' substitui logotipo pela 1ª vez: título da publicação desta semana é 'Vote'

Trump no ataque

A menos de duas semanas das eleição e atrás nas pesquisas, o presidente americano iniciou uma ofensiva contra vários alvos: atacou Biden, a comissão de debates presidenciais e até Anthony Fauci, principal epidemiologista do país e conselheiro dos últimos seis presidentes americanos (inclusive do próprio Trump).

Como parte dos ataques, ele tentou ressuscitar suspeitas sobre Hunter Biden, filho de Joe Biden, e ligá-lo a negócios na Ucrânia e na China quando seu pai era vice-presidente de Barack Obama (2009-2017).

O republicano também criticou a organização dos debates presidenciais nos EUA, que anunciou que vai cortar os microfones dos candidatos enquanto o adversário fala no encontro desta quinta. A medida foi tomada após críticas pelas interrupções do primeiro embate.

Na segunda, Trump chamou de "desastre" o Dr. Anthony Fauci e se referiu ao especialista e a outras autoridades de saúde como idiotas. Fauci é o maior especialista em doenças infecciosas dos EUA e trabalhou diretamente com Reagan, Bush pai, Bill Clinton, Bush filho, Obama e o próprio Trump.

Tentativas de desacreditar a imprensa

A entrevista de Trump para Lesley Stahl foi a terceira concedida à apresentadora. Além de 2016, quando ainda era candidato, o presidente americano conversou com a jornalista em outubro de 2018, também na Casa Branca.

A entrevistadora já disse no passado que Trump lhe confessou em 2016 que os ataques à imprensa eram uma estratégia. O então candidato à presidência dos EUA afirmou, em uma conversa não-gravada, que os ataques visavam desacreditar as histórias negativas sobre ele.

Segundo Stahl, Trump lhe disse: "Você sabe por que eu faço isso? Eu faço isso para desacreditar e rebaixar todos vocês, então, quando vocês escreverem histórias negativas sobre mim, ninguém vai acreditar em vocês".

Veja vídeos das eleições nos EUA

Fonte: G1

Jota Edilson

Comentários

GF AUTO CENTER