Casos de conjuntivite aumentam no verão, afirma oftalmologista

A conjuntivite consiste numa inflamação ou irritação da conjuntiva, uma membrana fina e transparente que cobre a parte branca do olho

Por Rogerio Magno em 19/11/2023 às 07:02:26
Paciente com conjuntivite - Foto: Reprodução Internet

Paciente com conjuntivite - Foto: Reprodução Internet

"Os casos de conjuntivite aumentam com o verão. O calor e o tempo seco contribuem para a sobreviv√™ncia de microrganismos no ambiente externo e favorecem sua disseminação. Além disso, no verão é mais frequente a pr√°tica de atividades ao ar livre e em ambientes com aglomeração de pessoas, como praias e piscinas", afirma Breno Gustavo Rocha Dantas, oftalmologista do Hospital Universit√°rio Ana Bezerra (Huab), da UFRN/Rede Ebserh, a respeito da alta transmissibilidade da conjuntivite em épocas mais quentes.

A conjuntivite consiste numa inflamação ou irritação da conjuntiva, uma membrana fina e transparente que cobre a parte branca do olho. As causas podem incluir alergias à fumaça, maquiagem ou cloro de piscina, por exemplo, ou até mesmo em função de infecções ocasionadas por bactérias, ou v√≠rus.

Os principais sintomas são vermelhidão ou lacrimejamento, coceira, sensação de areia nos olhos, ard√™ncia constante e secreção esbranquiçada ou amarelada.

Conforme o oftalmologista explica, os tipos mais comuns de conjuntivite são: viral, bacteriana e alérgica.

Na conjuntivite viral, o adenov√≠rus, que causa doenças respiratórias, como resfriados, é comum observar a presença de secreção esbranquiçada nos olhos, além de febre e dor de garganta. J√° a conjuntivite bacteriana, apresenta secreção mais volumosa e de tom amarelado. A transmissão, muitas vezes, acontece pelo toque, no momento em que alguém encosta a mão em um lugar contaminado e leva aos olhos. A conjuntivite alérgica é causada por crises alérgicas que incluem alimentos, poeira, pelos de animais, pólen, medicamentos, √°caros, insetos, entre outros.

Breno Gustavo Rocha Dantas destaca a respeito dos cuidados com a higiene das mãos para evitar o contato com os olhos, além de ressaltar as formas de prevenção:

"A transmissão ocorre tanto por contato direto com secreção de olhos doentes ou de forma indireta, por meio de objetos contaminados (toalhas, fronhas, óculos, maquiagem, frascos de col√≠rios, etc.). Como forma de prevenção é muito importante identificar os pacientes doentes e afast√°-los de suas atividades laborais ou escolares. É fundamental lavar as mãos com frequ√™ncia, evitar coçar os olhos e não compartilhar objetos de uso pessoal. Além disso, é sempre importante higienizar objetos de uso comum, como, por exemplo, maçanetas de portas". O tratamento vai sempre depender do tipo que for diagnosticado pelo oftalmologista e um cuidado b√°sico, recomendado nos tr√™s casos, consiste na limpeza das p√°lpebras com √°gua ou soro fisiológico.

Fonte: Portal Di√°rio do RN

Comunicar erro
Duxote

Coment√°rios