Terra-Bit

Aras se manifesta contra apreensão do celular de Bolsonaro

Pedido de apreensão, feito por partidos, foi encaminhado pelo relator do caso ao procurador-geral da República. Aras entendeu que não cabe a partidos fazer esse tipo de

Por Rogério Magno em 28/05/2020 às 13:05:17
Pedido de apreensão, feito por partidos, foi encaminhado pelo relator do caso ao procurador-geral da República. Aras entendeu que não cabe a partidos fazer esse tipo de solicitação. O procurador-geral da República, Augusto Aras, se manifestou no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a apreensão do celular o presidente Jair Bolsonaro.

O pedido foi feito por partidos políticos e parlamentares na investigação sobre a suposta interferência política do presidente na Polícia Federal.

Aras entendeu que, como a investigação é competência do MPF, não cabe intervenção de terceiros no processo, como no caso de partidos e parlamentares.

O pedido dos partidos foi enviado pelo relator do caso, ministro Celso de Mello, para Aras. Essa é a praxe nesse tipo de ação. A PGR é responsável por propor investigação do presidente perante o STF.

"Tratando-se de investigação em face de autoridades titulares de foro por prerrogativa de função perante o Supremo Tribunal Federal, como corolário da titularidade da ação penal pública, cabe ao Procurador-Geral da República o pedido de abertura de inquérito, bem como a indicação das diligências investigativas, sem prejuízo do acompanhamento de todo o seu trâmite por todos os cidadãos", escreveu o PGR.

O procurador-geral afirmou ainda que "que as diligências necessárias serão avaliadas na apuração em curso" no tempo conveniente.

Reações

Na semana passada, após o envio do ministro à PGR, uma nota divulgada pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, provocou reação de entidades civis e de parlamentares.

Augusto Heleno declarou que uma decisão favorável à apreensão do celular do presidente poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional.

Horas depois do despacho de Celso de Mello, o ministro Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional, divulgou uma nota.

Afirmou que "o pedido de apreensão do celular do presidente da república é inconcebível e, até certo ponto, inacreditável. Caso se efetivasse, seria uma afronta à autoridade máxima do poder Executivo e uma interferência inadmissível de outro poder na privacidade do presidente da república e na segurança institucional do país. O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República alerta as autoridades constituídas que tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional".

Mais tarde, em uma rede social, o presidente Jair Bolsonaro republicou a nota do ministro.

Fonte: G1

Jota Edilson

Comentários

GF AUTO CENTER