cnrn

Candidato chavista da APR pode ficar de fora da disputa para a prefeitura de Caracas

Por Everaldo Alexandre em 18/09/2021 às 10:55:54

Houve casos de políticos de direita inabilitados politicamente que puderam se candidatar, casos de Tomás Guanipa (Primeiro Justiça), postulante à prefeitura de Caracas, e José Manuel Olivares, que concorre ao governo do estado Vargas pela legenda da Mesa de Unidade Democrática (MUD).

O prazo final para alterar os nomes das candidaturas é 22 de setembro.

:: O que está acontecendo na Venezuela? Veja cobertura completa ::

Essa é a segunda vez que Samán busca disputar a prefeitura da capital. Em 2017, também teve problemas com sua inscrição, mas conseguiu concorrer às eleições. "Nessa época me bloquearam em todos os meios de comunicação estatais", relata.

Eduardo Samán é farmacêutico e professor. Em 2009, foi ministro de Comércio durante a gestão do ex-presidente Hugo Chávez. Foi filiado ao Psuv até 2017, quando ingressou no PPT.

O Brasil de Fato conversou com o político em Caracas, sobre as próximas eleições e o futuro político da disputa na Venezuela.

Brasil de Fato: Como foi o processo de impugnação da sua candidatura? Quais foram as irregularidades apresentadas pelo Poder Eleitoral?

O Conselho Nacional Eleitoral tinha cinco dias para impugnar minha inscrição. Faltando 40 minutos para terminar o prazo, convocaram a fiscal da APR para comunicar que haviam negado a minha candidatura. Se não indicássemos outro nome, imediatamente ficaríamos sem candidatura para a prefeitura de Caracas. Por isso tivemos que nos mobilizar para inscrever outra pessoa para reservar a vaga.

Nesse dia tentei acessar o sistema público de eleitor e meu registro aparecia como inabilitado, inclusive para votar. No dia seguinte, esse aviso desapareceu do sistema.

O período de inscrições encerrou e eu nunca fui notificado da abertura de algum processo administrativo na Controladoria Geral da República ou pelo Tribunal Supremo de Justiça. O site da Controladoria está desatualizado desde 2017.

No dia 5 de setembro, enviamos uma carta ao Conselho Nacional Eleitoral questionando quais eram os problemas da minha candidatura e nunca foi respondida.

Não sei o motivo exato. Há especulações de que o motivo seria a falta de uma declaração jurada de bens, algo que fiz e recentemente publiquei o certificado de envio nas minhas redes sociais. A única coisa que comunicaram à representante da APR é de que estou inabilitado.


Partido Comunista da Venezuela (PCV) apresentou recurso contra a impugnação da candidatura de Eduardo Samán pela Alternativa Popular Revolucionária / PCV

Há outro meio pelo qual pretendem recorrer?

Poderíamos recorrer à Sala Constitucional e à Sala Eleitoral do Conselho Nacional Eleitoral (CNE). No entanto, não posso me defender, porque nem sequer fui formalmente notificado.

Veja que os reitores que questionam a decisão são reitores de direita, que fazem isso por uma questão ética.

Eu acredito que agora vão nos mandar buscar uma série de documentos e no melhor dos casos irão permitir nossa candidatura quando passe o prazo para que o meu nome apareça na urna eleitoral. Mas, nesse caso, não teria nenhuma sentido minha inscrição. Já estou me preparando para que essa vaga seja assumida por outra pessoa.

:: Dolarização na Venezuela gera boom de lojas de produtos importados ::

Como você espera que serão as eleições para a APR?

Para mim há uma arremetida contra a APR. Por exemplo, a APR solicitou ter representação na mesa de diálogo (que ocorre no México, entre governo e oposição), mas não houve resposta. Pelo contrário, não querem sentar a dialogar porque não querem reconhecer a força popular que temos.

Essa conduta da equipe que dirige o governo é surpreendente. Não nos surpreende somente essas ações de estabelecer diálogo com a direita e rechaçar a esquerda, mas também as políticas econômicas.

Aí estão as Zonas Econômicas Especiais que não reconhecem as conquistas trabalhistas e nem os problemas com o salário. O salário mínimo cobre 0,4% da cesta básica. Também é muito grave a judicialização da relação com trabalhadores e sindicalistas.

Leia também: Venezuelanos se dividem entre propostas antagônicas para recuperação da economia

A partir de sua leitura, qual o caminho para grupos que se identificam como “populares e revolucionários”?

O caminho é a acumulação de forças e pressões de movimentos internacionais, que defendem o socialismo, o anti-imperialismo, sobre o governo para que retifiquem essa política.

Não com caráter de intervenção, mas sim como solidariedade, para que o governo interrompa a judicialização dos líderes de esquerda e também o desprestígio contra dirigentes comunistas venezuelanos.

Fonte: Brasil de Fato

Comunicar erro
Jota Edilson

Comentários